Ainda não há comentários

Páscoa

A PALAVRA PÁSCOA

A palavra páscoa é tradução do substantivo hebraico pesach, que significa sacrifício, páscoa, animal da páscoa. O substantivo pesach, por sua vez é originária do verbo hebraico pasach que significa saltar, passar por cima. As duas palavras tem a mesma raiz, ou seja, escreve-se de forma idêntica porém se pronuncia de maneira diferente, o que determina o significado é a pronúncia.

 

A ORIGEM DA PÁSCOA

ESCRAVIDÃO NO EGITO.

José, filho de Jacó (Israel), foi vendido por seus irmãos como escravo, e acabou vivendo no Egito. A providencia divina fez com que ele se tornasse o segundo homem mais importante do Egito abaixo do faraó.

A providencia divina fez também com que sua família se mudasse para o Egito onde se multiplicou de tal modo que o faraó transformou aquele povo em escravo. Após aproximadamente 400 anos de escravidão, Deus mandou um libertador, Moisés que foi incumbido de retirar o povo de Israel do Egito.

Após varias tentativas frustradas, Moises recebeu a última instrução de Deus para obter a concordância do faraó. Vejamos o texto:

Êxodo.11:10-31

10  Moisés e Arão fizeram todas essas maravilhas perante Faraó; mas o SENHOR endureceu o coração de Faraó, que não permitiu saíssem da sua terra os filhos de Israel.

Por nove vezes Moisés pediu para que o faraó libertasse o povo para sair do Egito e por noves vez o faraó negou.

Na décima vez esgotou-se o limite de Deus.

Agora Deus vai agir de forma drástica e este fato originou a celebração da páscoa e determinou o início da contagem do ano religioso entre o povo de Israel.

OS FATOS CONFORME TEXTO EM EX.12

 

A ÉPOCA

Êxodo.12:

1  Disse o SENHOR a Moisés e a Arão na terra do Egito:

2  Este mês vos será o principal dos meses; será o primeiro mês do ano.

Aqui se inicia o ritual da páscoa propriamente dita.

Israel tem dois calendários, um civil e um religioso. O religioso se inicia com a páscoa, Mês de Abibe, que corresponde ao nosso mês de abril (início em meados de abril).

 

A COMUNHÃO

Êxodo.12:

3  Falai a toda a congregação de Israel, dizendo: Aos dez deste mês, cada um tomará para si um cordeiro, segundo a casa dos pais, um cordeiro para cada família.

4  Mas, se a família for pequena para um cordeiro, então, convidará ele o seu vizinho mais próximo, conforme o número das almas; conforme o que cada um puder comer, por aí calculareis quantos bastem para o cordeiro.

Vemos aqui um processo de comunhão ensinado através da páscoa. Portanto, páscoa também é comunhão.

 

CORDEIRO SEM DEFEITO

Êxodo.12:

5  O cordeiro será sem defeito, macho de um ano; podereis tomar um cordeiro ou um cabrito;

Detalhe importante: o cordeiro não podia ter defeito, tinha que ser imaculado. Vemos aqui o cuidado e a santidade de Deus que exige perfeição. Esse cordeiro imaculado já estava simbolizando a pessoa de Jesus Cristo.

 

PREPARAÇÃO

Êxodo.12:

6  e o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o imolará no crepúsculo da tarde.

A celebração da páscoa era um ritual que exigia preparação, visto que o cordeiro foi mantido separado para o sacrifício durante duas semanas.

A MARCA DO SANGUE

Êxodo.12:

7  Tomarão do sangue e o porão em ambas as ombreiras e na verga da porta, nas casas em que o comerem;

O sangue do Cordeiro foi usado para marcar as portas das casas dos Israelitas. Este sangue iria garantir a vida deles naquela noite. Continua a analogia com a pessoa de Jesus.

 

CARNE ASSADA E ERVAS AMARGAS

Êxodo.12:

8  naquela noite, comerão a carne assada no fogo; com pães asmos e ervas amargas a comerão.

9  Não comereis do animal nada cru, nem cozido em água, porém assado ao fogo: a cabeça, as pernas e a fressura.

POR QUE A CARNE E POR QUE ASSADA?

Carne cozida é menos calórica do que a assada.

Em geral, cada 100 gramas de carne de boi magra e crua, por exemplo, têm 21,5 gramas de proteína e 6,1 gramas de gordura, que depois de metabolizadas pelo organismo transformam-se em energia. O restante é água.

A temperatura para assar a carne é de cerca de 240 graus C. Com isso, uma parte da gordura derrete, diminuindo um pouco as calorias. Porém, essa temperatura é suficiente para evaporar uma quantidade muito grande de água, fazendo com que a gordura restante fique muito mais concentrada.

Para as carnes cozidas, aquecidas à temperatura de 100 graus C, a quantidade de gordura que sai é relativamente menor, mas também a água restante é maior, tomando-a, assim, mais úmida.

As proteínas sofrem pouca alteração com o aumento de temperatura. Além disso, a gordura que sai da carne cozida mistura-se com a água do cozimento, enquanto parte da que sai da carne assada fica retida em sua superfície.

O povo estava se alimentando e se preparando para uma longa viagem a pé pelo deserto. Isto exigia uma grande quantidade de energia. Sabemos que a carne é um alimento que demora muitas horas para fazer a digestão em nosso organismo, isso iria ajudar em muito no tempo de viagem. O fato de ser assada contribuía para uma quantidade maior de energia acumulada por ser mais calórica.

AS ERVAS AMARGAS

As ervas amargas são usadas para estimular o apetite e favorecer a digestão pelo aumento da secreção dos sucos gástricos. Estes resultados são provenientes da estimulação pelos princípios amargos das ervas utilizadas e outros efeitos específicos provenientes de diferentes ervas.

A maioria das pessoas sabe que a saliva aumenta quando se come algo amargo. Por ação reflexa, há também estimulação dos sucos digestivos do pâncreas, duodeno e fígado. Ervas amargas auxiliam o fígado no trabalho de desintoxicação e aumentam o fluxo da bile.

Elas também têm ação tônica geral, segundo o Dr. Rudolf Weiss, que cita evidências científicas de que aumentaram a resposta do sistema nervoso simpático que auxilia no controle do metabolismo. Algumas ervas amargas, entre as quais se incluem a genciana e o cardo santo, também facilitam a função cardíaca.

De alguma forma essas ervas amargas também poderiam estar simbolizando a amargura da escravidão no Egito.

 

NÃO PODERIA HAVER SOBRAS

Êxodo.12:

10  Nada deixareis dele até pela manhã; o que, porém, ficar até pela manhã, queimá-lo-eis.

Não poderia haver sobras. Toda carne deveria ser aproveitada, se porém houvesse sobra deveria ser queimada. Por analogia entendemos que o sacrifício de Jesus foi total e completo em toda sua plenitude, na medida certa da necessidade instituída por Deus.

Isto nos leva a pensar seriamente nas seitas que consideram o sacrifício de Jesus incompleto e acrescentam algo mais para complementar a salvação. Aliás esta é uma das características que identificam uma seita.

 

PRONTIDÃO PARA A VIAGEM

Êxodo.12:

11  Desta maneira o comereis: lombos cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão; comê-lo-eis à pressa; é a Páscoa do SENHOR.

Eles deveriam comer a carne assada já prontos para a viagem. Não podiam perder tempo. Por que?

Êxodo.12:

12  Porque, naquela noite, passarei pela terra do Egito e ferirei na terra do Egito todos os primogênitos, desde os homens até aos animais; executarei juízo sobre todos os deuses do Egito. Eu sou o SENHOR.

13  O sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; quando eu vir o sangue, passarei por cima, e não haverá entre vós praga destruidora, quando eu ferir a terra do Egito.

O sangue era a peça principal neste ritual.

Hebreus 9:22  Com efeito, quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e, sem derramamento de sangue, não há remissão.

A casa que não obedecesse a ordem de Deus, certamente iria sofrer o mesmo juízo determinado aos egípcios.

A ausência de sangue nos umbrais da porta traria a morte naquela casa.

O MEMORIAL

Êxodo.12:

14  Este dia vos será por memorial, e o celebrareis como solenidade ao SENHOR; nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo.

Deus determinou que esse ritual fosse comemorado todos os anos no mês de Abibe para que o povo se lembrasse do dia da libertação da escravidão no Egito. Em obediência, Jesus também comemorou a páscoa com seus discípulos.

Êxodo 34:18  Guardarás a Festa dos Pães Asmos; sete dias comerás pães asmos, como te ordenei, no tempo indicado no mês de Abibe; porque no mês de Abibe saíste do Egito.

Deus estabelece a festa dos asmos, ou seja a celebração da páscoa todos os anos para lembrar a libertação do cativeiro no Egito.

Exodo.12:19  Por sete dias, não se ache nenhum fermento nas vossas casas; porque qualquer que comer pão levedado será eliminado da congregação de Israel, tanto o peregrino como o natural da terra.

20  Nenhuma coisa levedada comereis; em todas as vossas habitações, comereis pães asmos.

O fermento simboliza pecado.

1 Coríntios 5:8  Por isso, celebremos a festa não com o velho fermento, nem com o fermento da maldade e da malícia, e sim com os asmos da sinceridade e da verdade.

Exodo.12:29  Aconteceu que, à meia-noite, feriu o SENHOR todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, que se assentava no seu trono, até ao primogênito do cativo que estava na enxovia, e todos os primogênitos dos animais.

Fizeram o sacrifício do cordeiro e comeram à tarde. Passaram a noite dentro das casas e à meia noite o anjo da morte passou e matou todos os primogênitos de todas as casas, com exceção dos israelitas que marcaram suas portas com o sangue do cordeiro. Ainda noite, como já estavam com as malas prontas, partiram para o deserto em direção à nova terra.

Êxodo.12:

30  Levantou-se Faraó de noite, ele, todos os seus oficiais e todos os egípcios; e fez-se grande clamor no Egito, pois não havia casa em que não houvesse morto.

31  Então, naquela mesma noite, Faraó chamou a Moisés e a Arão e lhes disse: Levantai-vos, saí do meio do meu povo, tanto vós como os filhos de Israel; ide, servi ao SENHOR, como tendes dito.

Com Deus não se brinca! Muitos não levam a sério a santidade de Deus. Vejam que ninguém foi poupado dentro do Egito, todos foram atingidos, a família do faraó, o povo em geral, os escravos e até mesmo os animais. Deus preservou somente os israelitas que obedeceram as ordens de Deus.

O ELO DE LIGAÇÃO ENTRE A PÁSCOA E A CEIA DE HOJE

Jesus, obviamente, cumpriu toda a lei e toda ordenança de Deus e isto inclui a páscoa que Deus determinou que fosse celebrada para sempre. Encontramos registrada na bíblia somente a última junto com seus discípulos.

TEXTO

Mateus.26

17  E, no primeiro dia da Festa dos Pães Asmos, chegaram os discípulos junto de Jesus, dizendo: Onde queres que preparemos a comida da Páscoa?

26  Enquanto comiam, Jesus tomou o pão, e, abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo.

27  E, tomando o cálice e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos.

28  Porque isto é o meu sangue, o sangue do Novo Testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados.

Devemos nos lembrar que através de Jesus temos a chamada “NOVA ALIANÇA”, ou o “NOVO TESTAMENTO”.

Assim como Jesus não aboliu a lei mas cumpriu toda ela passando para nós apenas duas leis, ele também não aboliu a páscoa, mas cumpriu e determinou que continuássemos com o memorial da páscoa porém nos moldes da nova aliança. Vejamos como Jesus fez isso:

O SACRIFÍCIO DO CORDEIRO

Jesus não sacrificou um cordeiro como na páscoa original porque ele próprio seria o cordeiro que dentro de instantes seria sacrificado.

A ASPERSÃO DO SANGUE

Jesus não aspergiu sangue nos umbrais das portas porque o seu próprio sangue seria aspergido na cruz e na terra.

ERVAS AMARGAS

Jesus não serviu ervas amargas aos discípulos porque ele próprio iria comer as ervas amargas nas próximas horas quando seria sacrificado.

Jesus simbolizou o ritual da páscoa através da sua pessoa no lugar do cordeiro, com o pão representando o seu corpo e o vinho representando o seu sangue.

Desta forma a celebração da páscoa nos moldes do antigo testamento, foi substituída pela celebração do memorial da ceia, sem fugir do significado espiritual nela contido.

Explicando melhor, o ritual é diferente porém o significado e o simbolismo continuam sendo o mesmo.

ANALOGIA ENTRE A PÁSCOA O SACRIFÍCIO DE JESUS E A CEIA DE HOJE

LIBERTAÇÃO

O objetivo principal do ritual da páscoa foi a libertação do povo de Israel do cativeiro Egípcio. Hoje vemos o Egito descrito na Bíblia como símbolo do pecado. Assim como a páscoa teve como objetivo libertar o povo do cativeiro no Egito, o sacrifício de Jesus teve como objetivo principal nos libertar do cativeiro do pecado.

CORDEIRO SEM DEFEITO

Deus determinou que o cordeiro sacrificado deveria ser sem defeito.

Ora, se o objetivo era alimentar o corpo dos israelitas preparando-os para a viagem, que mal faria, por exemplo, se o cordeiro fosse cego de um olho. O objetivo seria atendido da mesma forma. Aprendemos com isso que Deus é perfeito e detalhista. Comprovamos com este fato, a analogia espiritual com a pessoa de Jesus Cristo.

Sabemos que Jesus, para cumprir seu ministério redentor, deveria ser perfeito em todos os aspectos, sem pecado e fisicamente sem defeito. Se Jesus tivesse um defeito, por mínimo que fosse, não seria apto para ser o redentor.

O VALOR DO SACRIFÍCIO CORPORAL

A carne do cordeiro sacrificado teve por finalidade alimentar o corpo dos israelitas dando-lhes saúde, força e vigor durante a viagem.

De forma semelhante o corpo sacrificado de Jesus lá na cruz nos proporcionou saúde para o nosso corpo, por isso é que podemos orar pedindo a cura de nossas doenças. Lembrar que o sangue de Jesus é para remissão do pecado e para nos dar a vida eterna, e o corpo ferido é para a saúde do nosso corpo.

Quando Jesus distribuiu o pão dizendo: “isto é o meu corpo”, ele quis dizer que aquele pão estava simbolizando o seu corpo que seria ferido na cruz.

Isaias.53:

4  Verdadeiramente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus e oprimido.

5  Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e, pelas suas pisaduras, fomos sarados.

O SANGUE NAS OMBREIRAS DAS PORTAS

O sangue do cordeiro aspergido nos umbrais das portas proporcionou o livramento da morte dos primogênitos, da mesma forma o sangue derramado de Jesus nos proporcionou a salvação da morte eterna, livrando-nos da condenação do inferno.

Hebreus 9:11-12  Mas, vindo Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação, nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção.

Quando Jesus distribuiu o cálice dizendo: “isto é o meu sangue”, ele quis dizer que aquele suco de uva estava simbolizando o seu sangue que seria derramado na cruz.

MEMORIAL

Deus determinou aos israelitas que a páscoa fosse celebrada todos os anos como memorial da libertação do cativeiro no Egito. Jesus determinou que a ceia fosse celebrada pela igreja todas as vezes como memorial da sua morte, ressurreição e da nossa libertação da escravidão do pecado.

AUSÊNCIA DE FERMENTO

O fermento tinha o significado de simbolizar o pecado.

Por isso, o pão a ser consumido não poderia ser feito com fermento, chamado de pães asmos. Nas comemorações futuras durante a páscoa, também não poderia ter indício de fermento nas casas.

Jesus não poderia ter defeito e da mesma forma não poderia cometer pecado, simbolicamente nele não havia “fermento”.

O apóstolo Paulo ensinou que antes da participação da ceia devemos nos examinar e nos corrigir:

1Cor.11:26-30

26  Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice, anunciais a morte do Senhor, até que venha.

27  Portanto, qualquer que comer este pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor.

28  Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão, e beba deste cálice.

29  Porque o que come e bebe indignamente come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor.

30  Por causa disso, há entre vós muitos fracos e doentes e muitos que dormem.

Isto que o apóstolo Paulo ensinou corresponde à ordem de Deus de retirar de dentro de toda casa qualquer indício de fermento durante a páscoa.

OS ERROS DA PÁSCOA DE HOJE

Hoje, como crentes no Senhor Jesus, não temos obrigação de celebrar a páscoa na forma instituída por Moisés no Antigo Testamento, uma vez que Jesus substituiu pela celebração da ceia.

A páscoa celebrada nos dias de hoje no mundo está repleta de erros. Citamos alguns:

CARNE

Deus determinou que se comesse carne cordeiro, contudo, alguns ensinam que na páscoa não se deve comer carne, contrariando a ordem de Deus.

COELHO DA PÁSCOA

Existe ainda o hábito de se consumir chocolate no formato de coelho. Embora não seja na verdade carne de coelho, mas chocolate, devemos ter me mente que o coelho é considerado um animal imundo e não deveria ser consumido, mesmo sendo de forma simbólica. Ao contrário do coelho, que é animal imundo, Deus determinou que se comesse cordeiro que não é imundo.

OVO DE PÁSCOA

O ovo foi instituído pelo paganismo por ser um símbolo da fertilidade, ou símbolo da vida. Ao contrário, o cordeiro na páscoa foi morto e o juízo de Deus foi a morte dos primogênitos.

O CHOCOLATE

A base da comemoração hoje é o consumo de chocolate, seja na forma de um coelho ou de um ovo e até mesmo de um bolo especial chamado de colomba pascal. Todos esses elementos são doces e agradáveis de se comer contrariando a ordem de Deus que determinou o consumo de ervas amargas.

O FERMENTO

Deus determinou que se eliminasse todo fermento da casa durante as comemorações da páscoa. O fermento simboliza o pecado e não vemos, em nenhum momento da celebração da páscoa de hoje, qualquer alusão contra o pecado.

TÁTICA SATÂNICA

É fácil de entender a tática de satanás em distorcer toda determinação de Deus. Isto sempre foi assim. No Éden satanás distorceu a ordem de Deus na questão do fruto proibido. Na torre de Babel satanás corrompeu a ordem de Deus para que o homem se espalhasse sobre a Terra. Em todas as práticas pagãs encontramos essa mesma situação.

ADVERTÊNCIA: nós, especialmente os crentes que conhecemos a Palavra de Deus, precisamos ficar atentos para não sermos coniventes com as artimanhas do diabo.

CONCLUSÃO

Não quero julgar como sendo ou não pecado celebrar a páscoa como é costume, porém o maior problema é que a páscoa celebrada nos dias de hoje é herética e pagã fugindo totalmente dos moldes instituídos por Deus. Assim sendo, não se justifica uma celebração que é totalmente contrária ao que Deus determinou.

Cremos que a nossa participação ativa na celebração da páscoa pagã atual se constitui em uma desobediência à Palavra de Deus, porque mesmo que não concordemos com os rituais, o fato de participarmos nos leva a uma condição de conivência.

Romanos 12:2  E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

Fica aqui uma sugestão: assim como não devemos ensinar às crianças as mentiras em torno do papai Noel no natal, também não devemos ensinar as mentiras do “ovo de páscoa”.

Está com vontade de chocolate? Coma bombons ou tabletes de chocolate quando quiser sem vincular o chocolate à páscoa.

 

Por: Mestre Walter Ponci
IBMdaF – Igreja Batista Ministerial da Família

Deixe um comentário