1

A Trave

Temos sempre que possível, aproveitado a oportunidade nesta coluna para apresentar uma mensagem da Palavra de Deus, que pudesse servir de edificação pessoal para cada um de nós. Deus deseja que sejamos submissos e dependentes dele, em contrapartida, somos abençoados e caminhamos para uma vida gloriosa na presença eterna de Deus nosso Pai e de Jesus Cristo nosso Senhor e Salvador.

O diabo, nosso adversário, tudo faz para anular esse propósito, e quantas vezes não conseguimos enxergar os ataques e as rasteiras que ele nos prepara, e com isso passamos a sofrer aflições sem saber porque. Existe uma necessidade premente de que sejamos um vigilante esperto, crítico e desconfiado diante de tudo que nos rodeia para evitarmos cair nas malhas do inimigo.

Um fato que nos tem chamado a atenção, é a tendência do homem em ver somente os defeitos dos outros, e nunca conseguir enxergar seus próprios defeitos.

Jesus já advertiu contra os que julgam a seus semelhantes e que se esquecem dos seus próprios erros, que na maioria das vezes são piores do que os do seus semelhantes.

“E por que atentas tu no argueiro que está no olho do teu irmão e não reparas na trave que está no teu próprio olho? Ou como podes dizer a teu irmão: Irmão, deixa-me tirar o argueiro que está no teu olho, não atentando tu mesmo na trave que está no teu olho? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás bem para tirar o argueiro que está no olho de teu irmão.” Lucas 6:41-42

Trave é uma grande viga de madeira que une duas pilastras. A comparação que Jesus faz é tremenda. Aquele que tem uma trave no seu olho, ou seja, tem grandes defeitos e grandes pecados, só se preocupa em acusar o seu irmão que pode ter apenas um pequeno argueiro no seu olho. Se pararmos para pensar, veremos aqui uma fato interessante: Quem, com certeza enxerga menos? O que tem a trave no olho ou o que tem um pequeno argueiro? Pois é, o que tem a trave é o que menos enxerga e no entanto é quem mais aponta para os outros.

É comum durante os cultos, no momento em que o pastor exorta a igreja com a Palavra de Deus, muitos ficarem pensando em fulano ou ciclano, dizendo para si mesmos, isso é bom para este ou aquele, eles deveriam ouvir isso. Nesse mesmo instante, provavelmente, haverá alguém no auditório pensando o mesmo em relação àqueles que estão acusando os outros. É um circulo vicioso.

Quem age dessa maneira estará infringindo outros pontos da Palavra de Deus, e como está escrito, um abismo chama outro abismo.

Um dos abismos é o julgamento indevido. Quem aponta para o erro de um irmão estará fazendo julgamento que não deveria.

“Não julgueis, para que não sejais julgados.” Mateus 7:1

Outro abismo é a maledicência. Apontar o erro do irmão é falar mal desse irmão.

“Mas, agora, despojai-vos também de tudo: da ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca.” Colossenses 3:8

Há também o abismo da injustiça. Apontando erro de outros, sem olhar para os seus próprios, é um ato de injustiça.

“Mas vós mesmos fazeis a injustiça e fazeis o dano e isso aos irmãos.” 1 Coríntios 6:8 

Podemos ter maior comunhão com nosso Pai celestial no momento em que nos preocuparmos somente em olhar para os nossos defeitos corrigindo-os diante da Palavra de Deus, ao invés de simplesmente apontarmos os erros dos nossos irmãos.

Que Deus o(a) abençoe.
Por: Mestre Walter Ponci
IBMdaF – Igreja Batista Ministerial da Família

Comment(1)

  1. Responder
    Lucy says

    Imsirspeve brain power at work! Great answer!

Deixe um comentário